doença hepática gordurosa não alcoólica

O que é doença hepática gordurosa não alcoólica?

De acordo com dados do Ministério da Saúde, uma a cada cinco pessoas com sobrepeso no Brasil desenvolvem a doença hepática gordurosa não alcoólica, também conhecida como esteatose hepática ou simplesmente gordura no fígado. A alimentação e o estilo de vida inadequados são fatores determinantes para o desenvolvimento dessa doença.

O que é a doença

A doença hepática gordurosa não alcoólica é o acúmulo de gordura no fígado em pessoas que consomem pouca ou nenhuma bebida alcoólica. Também conhecida como esteatose hepática, pode ser mais frequente do que se imagina e acomete, principalmente, pessoas com sobrepeso. Se a gordura no fígado chegar ao índice de 4%, é considerada uma condição normal. Quando, entretanto, essa marca aumenta, deve ser tratada. Do contrário, pode gerar complicações como, por exemplo, inflamação, cicatrizes e, em casos mais graves, hepatite gordurosa, cirrose hepática e câncer. O fator principal para a esteatose hepática é um estilo de vida inadequado, aliado ao sedentarismo, má alimentação, bem como obesidade.

Fatores de risco

Os fatores de risco mais comum são:
  • idade avançada;
  • diabetes;
  • colesterol alto;
  • perda ou ganho de muito peso;
  • uso de medicamentos;
  • exposição a substâncias químicas;
  • inflamações crônicas no fígado;
  • acúmulo de gordura abdominal;
  • síndrome metabólica;
  • hipotireoidismo;
  • apneia do sono.

Sintomas

Normalmente, nos estágios iniciais, a doença não apresenta sintomas. Assim, é diagnosticada caso o indivíduo realize exames de imagem, como ultrassom abdominal. Em estágios intermediários e avançados, a gordura no fígado apresenta os seguintes sinais:
  • dor no abdômen;
  • cansaço;
  • barriga inchada;
  • dor de cabeça constante;
  • acúmulo de líquido no abdômen;
  • fadiga;
  • hemorragia;
  • icterícia;
  • alterações no sono.

Tratamentos

Não existe um protocolo definido para o tratamento da esteatose hepática, visto que ele varia, de acordo com o estágio e causas da doença. Entretanto, a recomendação geral segue três pilares: mudança de estilo de vida, alimentação saudável e prática de atividades físicas. Em casos específicos, contudo, o uso de medicamentos pode ser indicado para complementar o tratamento. Os mais comuns são vitamina E, ômega 3 e drogas para o controle da obesidade e do diabetes.

Prevenção

A prevenção e o tratamento da doença hepática gordurosa não alcoólica passam pelo mesmo caminho, ou seja, alimentação saudável, prática de atividade física e controle do peso. Portanto, é importante, aos poucos, fazer mudanças simples na rotina, ao acrescentar mais verduras e legumes no prato e separar cerca de 30 minutos diários para praticar uma atividade aeróbica. Além disso, existem alguns alimentos que ajudam a proteger o fígado, favorecendo a manutenção de suas funções. Esses alimentos são:
  • abacaxi;
  • maçã;
  • gengibre;
  • rabanete;
  • frutas vermelhas;
  • salmão;
  • azeite.
O consumo de água também é fundamental para a saúde do fígado. Dessa forma, beba, ao menos, dois litros por dia. Fique atento aos sinais da doença hepática gordurosa não alcoólica. Tente seguir as recomendações médicas e mantenha sob controle as medidas da circunferência abdominal (até 88 cm nas mulheres e 102 cm nos homens). Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião do aparelho digestivo em Ilha Solteira e Barretos!

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp