Cirrose

Cirrose: causas e sintomas

A cirrose é um estágio tardio da cicatrização (fibrose) do fígado causada por várias formas de doenças e condições hepáticas, como hepatite e alcoolismo crônico. Cada vez que o fígado é ferido – seja por doença, consumo excessivo de álcool ou por outra causa – ele tenta se reparar. No processo, o tecido cicatrizado se forma. 

À medida que a cirrose progride, mais e mais tecido cicatricial se forma, dificultando o funcionamento do fígado (cirrose descompensada). A cirrose avançada é fatal, e mata, por ano, cerca de 30 mil pessoas no país, segundo a Sociedade Brasileira de Hepatologia.

O dano hepático causado pela cirrose geralmente não pode ser desfeito. Mas se a cirrose hepática for diagnosticada precocemente e tratada, danos adicionais podem ser limitados e, em raros casos, até revertidos.

Sintomas da cirrose

A cirrose geralmente não apresenta sinais ou sintomas até que o dano hepático seja extenso. Quando os sinais e sintomas ocorrem, eles podem incluir:

  • Fadiga;
  • Fáceis sangramentos ou hematomas;
  • Perda de apetite;
  • Náusea;
  • Inchaço nas pernas, pés ou tornozelos (edema);
  • Perda de peso;
  • Comichão na pele;
  • Coloração amarela na pele e olhos (icterícia);
  • Acúmulo de líquidos no abdômen (ascite);
  • Vasos sanguíneos semelhantes a aranhas na sua pele;
  • Vermelhidão nas palmas das mãos;
  • Para mulheres, ausência ou perda de períodos não relacionados à menopausa;
  • Para os homens, perda de desejo sexual, aumento dos seios (ginecomastia) ou atrofia testicular;
  • Confusão, sonolência e fala arrastada (encefalopatia hepática).

Principais causas

Uma ampla gama de doenças e condições pode danificar o fígado e levar à cirrose. Algumas das causas incluem:

  • Abuso crônico de álcool;
  • Hepatite viral crônica (hepatite B e C);
  • Gordura acumulada no fígado (doença hepática gordurosa não alcoólica);
  • Acúmulo de ferro no organismo (hemocromatose);
  • Fibrose cística;
  • Cobre acumulado no fígado (doença de Wilson);
  • Ductos biliares mal formados (atresia biliar);
  • Deficiência de alfa-1 antitripsina;
  • Distúrbios hereditários do metabolismo do açúcar (galactosemia ou doença de armazenamento de glicogênio);
  • Distúrbio digestivo genético (síndrome de Alagille);
  • Doença hepática causada pelo sistema imunológico do seu corpo (hepatite auto-imune);
  • Destruição dos ductos biliares (cirrose biliar primária);
  • Endurecimento e cicatrização dos ductos biliares;
  • Infecção, como sífilis ou brucelose;
  • Medicamentos, incluindo metotrexato ou isoniazida.

Dados do Ministério da Saúde (MS) apontam que cerca de 20% das infecções crônicas pelo vírus da hepatite C evoluem para cirrose hepática. Na população masculina, uma dose de 30 a 40 gramas de álcool por dia, ingerida por um período de cinco anos, pode causar cirrose hepática. Já entre pessoas do sexo feminino, o quadro pode se desenvolver na metade do tempo, isto é, com a mesma quantidade diária de álcool em um período de dois anos e meio.

Transplante de fígado: uma opção de tratamento

O transplante do fígado é uma opção de tratamento para a cirrose hepática grave e consiste na substituição do órgão insuficiente por um com boas condições de funcionamento. A maioria dos transplantes de fígado em adultos no Brasil é feita a partir de doador falecido, de 80% a 90%. Em crianças são entre doadores intervivos. A hepatite crônica pelo vírus da hepatite C e a cirrose alcoólica representam cerca de 50% das etiologias que levam pacientes adultos ao transplante do fígado, de acordo com o Ministério da Saúde. 

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião do aparelho digestivo em Ilha Solteira e Barretos!

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp