câncer de esôfago

7 fatores de risco para o câncer de esôfago

Quem sente dificuldade de deglutição, dor no peito e percebe perda de peso injustificada pode ter um problema muito sério, o câncer de esôfago. Trata-se do quinto tumor maligno mais frequente do trato gastrointestinal.

Neste artigo, elencamos os 7 principais fatores de risco que potencializam o surgimento da doença. Acompanhe!

1. Fumo

O fumo entra nessa lista como o principal fator de risco. As substâncias químicas presentes no cigarro, no charuto ou no cachimbo deterioram o esfíncter inferior do esôfago, um músculo que funciona como uma “porta” para barrar a volta de conteúdo estomacal, impedindo quadros de azia, por exemplo.

As chances de um fumante desenvolver câncer de esôfago é 44 vezes maior em relação àqueles que não fumam.

2. Álcool

Outro vilão é o álcool. Ele prolonga o tempo de contato com carcinógenos, em virtude de promover alterações na motilidade esofágica, além de levar a mudanças epiteliais do esôfago que podem predispor ao desenvolvimento de lesões precoces.

Quem não dispensa uma cerveja toda sexta-feira, faça chuva ou faça sol, tem 18 vezes mais chance de conhecer de perto o câncer de esôfago em comparação à população não etilista. Não existe nível seguro de consumo de álcool, de qualquer tipo.

Como se vê, o álcool e o fumo formam a “dupla mortífera” dessa doença.

3. Esôfago de Barrett

Trata-se de um conjunto de danos no revestimento do esôfago, causados quando o ácido produzido no estômago volta para onde não deveria, às vezes persistindo por muito tempo e provocando inflamação. Tem um nome para isso: refluxo gastroesofágico.

4. Esofagite de refluxo

Esse tipo de esofagite caracteriza-se pela volta de ácidos estomacais para o esôfago, com bastante frequência. Esse desajuste gera inflamação crônica e danos no tecido que reveste o órgão, problema indicado como responsável por parte de um dos tipos mais comuns de câncer esofágico, o adenocarcinoma.

5. Bebidas quentes

O consumo frequente de bebidas muito quentes, como chimarrão, chá e café, em temperatura de 65 °C ou mais, pode desencadear o tumor maligno de esôfago.

6. Obesidade

Quanto mais elevado o índice de massa corporal (IMC), maior a chance de acontecer a doença do refluxo gastroesofágico (DRGE) e, por consequência, tornando a pessoa mais suscetível ao câncer de esôfago.

Sem contar que a obesidade “sobrecarrega” o funcionamento dos órgãos e dos sistemas do corpo humano. Nesse sentido, uma classe de alimentos deve ser evitada: a das carnes processadas, como salsicha, presunto, blanquet de peru etc.

7. Genética e câncer de esôfago

Indivíduos que têm histórico familiar de câncer na cabeça, no pescoço ou nos pulmões são mais propensos a desenvolver câncer de esôfago.

Outros fatores

O megaesôfago, causado principalmente por doença de Chagas, a estenose (estreitamento) do esôfago, causada pela ingestão acidental de agentes corrosivos como a soda cáustica, e o HPV, conforme pesquisa liderada por acadêmicos da Universidade New South Wales, na Austrália (UNSW), são outros fatores relacionados ao câncer de esôfago.

 

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião do aparelho digestivo em Ilha Solteira e Barretos!

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp