obesidade

10 fatores de risco para a obesidade

Atualmente, a obesidade é considerada uma doença crônica, e a Organização Mundial de Saúde (OMS) a vê como uma endemia mundial. Um dos males do século, junto ao estresse e à depressão, a obesidade é uma das consequências da modernidade e seus hábitos que valorizam o sedentarismo e a má alimentação.

Além do cotidiano propício, fatores emocionais e genéticos também podem influenciar o aumento da gordura corporal. Fácil de ganhar e difícil de perder, a obesidade pode ser a causa de outras doenças graves, como a diabetes e a hipertensão.

Fatores que levam à obesidade

O Ministério da Saúde chegou a criar, em 2008, o dia Nacional de Prevenção da Obesidade, após a comprovação da urgência em incentivar hábitos mais positivos na população. Em 2017, cerca de 54% da população apresentava sobrepeso e 20% eram consideradas obesas. Os índices são mais alarmantes quando se observa o número de crianças, adolescentes e jovens que estão se tornando obesos prematuramente.

Em dez anos, houve um aumento de 110% de obesidade na juventude, diminuindo apenas em pessoas idosas. Segundo especialistas, a qualidade do que se come é o principal fator para esse aumento, já que houve uma massificação de comidas industrializadas, que incluem o fast food, e vem substituindo drasticamente legumes, verduras e o popular “arroz e feijão”.

O alerta vem surtindo efeito, mesmo que ainda bem distante do necessário. Já há uma boa procura por alimentos mais saudáveis, assim como pela prática de atividades físicas. Caminhada e corrida são as mais procuradas, mas há ainda outras práticas que vêm chamando o interesse da população.

No entanto, não só a má alimentação e a falta de atividade física levam à obesidade. Outros fatores podem levar o paciente de um sobrepeso até ela, com maior dificuldade, ainda, em manter o tratamento, tais como:

  1. alimentos tipo fast food;
  2. pouca ingesta de legumes e verduras;
  3. ¨beliscar¨ alimentos calóricos (balas e doces);
  4. distúrbios hormonais;
  5. alcoolismo;
  6. alimentação rica em gorduras;
  7. sedentarismo;
  8. descontrole emocional;
  9. estresse;
  10. ansiedade que gera compulsão

Doenças que podem ser causadas pela obesidade

O motivo para essa gradual mudança é a consciência de que junto à obesidade também se desenvolvem doenças que são relacionadas a ela. Inclusive que podem provocar a morte, caso não haja o cuidado adequado. É importante saber que, embora seja considerada uma doença, a obesidade não é o problema, mas sim as suas consequências.

Até chegar à obesidade, o paciente tende a não ter um contexto de vida saudável. A má alimentação, voltada a comidas mais gordurosas, com açúcares e carboidratos, não só acumulam a gordura corporal e aumentam o peso, como também entram no sistema circulatório e podem entupir veias e exigir exageradamente a produção de insulina.

O excesso de peso pode prejudicar os ossos e articulações, assim como pode prejudicar a respiração e a digestão. Para entender melhor tudo o que a obesidade pode causar, listamos suas principais consequências:

  1. fraqueza no sistema imunológico;
  2. risco cardíaco, incluindo infarto;
  3. AVC;
  4. diabetes tipo 2;
  5. apneia do sono;
  6. colesterol alto;
  7. artrite;
  8. hérnia de disco;
  9. hipertensão;
  10. tumores.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião bariátrico e do aparelho digestivo em Ilha Solteira e Barretos!

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp